Anvisa aprova nova droga biológica para combater o câncer

iG São Paulo

Medicamento será utilizado no tratamento de câncer de pulmão e de bexiga; outra droga para tratar câncer na medula óssea já foi liberada este ano

Nova droga será utilizada em pacientes adultos, com câncer de pulmão e bexiga, que já tenham passado por quimioterapia

Nova droga será utilizada em pacientes adultos, com câncer de pulmão e bexiga, que já tenham passado por quimioterapia

Foto: shutterstock/Reprodução

O tratamento de câncer de bexiga e de pulmão receberá um reforço nos medicamentos capazes de compor as terapias contra os tumores malignos nesses órgãos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o registro de uma nova droga biológica para a combater a doença.

Leia também: Teste genético poderá dizer se paciente terá câncer de mama com mais precisão

O medicamento é o Tecentriq (atezolizumabe), um anticorpo monoclonal. Isso quer dizer que seu funcionamento acontece a partir de uma proteína presente no remédio que se liga a outra, encontrada em células cancerígenas, e aumenta a capacidade de defesa do sistema imunológico, combatendo o câncer.

Segundo a agência, a aprovação prevê que a droga seja utilizada por pacientes adultos, que já tenham passado por quimioterapia para tratar carcinomas uroteliais. E também para pacientes com tumor no pulmão, mesmo aqueles que tenham feito quimioterapia.

Daratumumabe

No início do ano, outro medicamento foi aprovado pela Anvisa para o tratamento da doença. O Dalinvi, que tem como princípio ativo a substância daratumumabe e é usado para tratar o mieloma múltiplo, que acontece na medula óssea. Neste caso, os plasmócitos, células que normalmente produzem anticorpos, tornam-se malignos e atingem as outras células e ossos do corpo.

Leia também: Brinquedo de plástico inalado há 40 anos é confundido com câncer no pulmão

Porém, a droga foi aprovada pela agência apenas para duas indicações terapêuticas específicas. A primeira, trata-se da combinação com bortezomibe e dexametasona, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos um tratamento prévio.

Já a segunda acontece no caso de monoterapia, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos três linhas de tratamento prévio, incluindo um inibidor de proteassoma (IP) e um agente imunomodulador, ou que foram duplamente refratários a um IP e um agente imunomodulador.

O daratumumabe é um anticorpo monoclonal humano IgG1 kappa que se liga à proteína CD38 expressa em nível alto na superfície de células em diversas doenças hematológicas malignas, incluindo células tumorais de mieloma múltiplo, assim como outros tipos de células e tecidos em vários níveis. A proteína CD38 tem várias funções tais como adesão mediada ao receptor, sinalização e atividade enzimática. O daratumumabe mostrou ser um inibidor potente do crescimento in vitro de células tumorais que expressam CD38.

O Dalinvi (daratumumabe) foi registrado na Anvisa como produto biológico novo, ou seja, é um medicamento biológico inédito no país.

Leia também: Câncer de mama: saiba como se preparar para falar com seu médico

Saúde: bem-estar, dicas de alimentação, dieta e exercícios – iG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *