Sem qualquer problema ou intervenção, tive a Emanuelly

Meu nome é  Cintia , tenho 30 anos e sou diabética tipo 1 desde os 24 anos.

Estava pensando em engravidar, mas sempre tive medo, por conta do diabetes. Meu controle nunca foi ruim, mas também sempre tentei melhorar, minha glicada ficava por volta de 6% a 7% (não tenho sequelas).

Até que engravidei em dezembro de 2015, meus controles não estavam muito bons e não sabia que estava gravida. Minha glicemia estava dando trabalho, algumas hipers, valor médio de 200 mg/dl. Só soube da gestação em fevereiro de 2016, com exame de sangue, tive um enjoo e desconfiei. Gravidez!

Minha glicemia começou a melhorar, tinha algumas hipoglicemias (mínima 50 mg/dl), comia bem e sentia muita fome (no total engordei 17 quilos). Comecei a controlar o diabetes (hiper máxima 250 mg/dl), aumentando minhas glicemias capilares, de 8 a 10 vezes por dia. Fiz o pré- natal certinho e medrosa seguia a risca para poder controlar, mas as vezes comia uns docinhos e pelo meu controle dava certo. Minha glicada baixou para 6% depois para 5%.



No final da gravidez que minha glicemia começou a aumentar, no oitavo mês, mas nada em exagero como eu pensei que fosse.

Consegui controlar e minha gravidez não teve nenhuma complicação.

No dia do parto não usei insulina lantus só a ultrarrápida (humalog), fiz a ultima refeição às 15h e deu certo. Minha filha Emanuelly nasceu de cesariana, no dia 12 de setembro de 2016, as 17h44, com 3,150 gramas e 47,5 de altura, o pre- natal foi feito convenio .

No dia seguinte utilizei lantus, a mesma dose que usava antes de engravidar, e fui ajustando.


Após 4 meses do nascimento da bebê (que está muito esperta por sinal), consegui perder 7 quilos dos 17 que ganhei , a amamento exclusivamente (em média a cada duas horas), a dose da Lantus deu uma leve aumentada de 16u para 20 u, não faço contagem de carboidratos, tenho dosagem fixa para correções e antes de todas as refeições, não tenho tido hipos (são bem poucas) e quando as hipers vem, logo com 
correções normalizam.

Eu e minha filha ficamos em casa, cuido dela e do meu DM. Faço serviço de casa, mas dou prioridade a ela e me alimento de três em três horas sempre medindo a glicemia. Perco algumas horas de sono de madrugada amamentando (neste período ela mama a cada três horas). Tenho bastante tarefa em casa, sendo mãe e tendo diabetes, mas não me arrependo de nada.



No momento não estou pensando em ter mais filhos porque hoje em dia as coisas estão dificeis. Mas é um caso para pensar futuramente. 

Enfim, não tive grandes problemas na minha gravidez, fui muito comprometida  e tudo foi dando certo, fiz as medições corretamente, utilizei dosagens “corretas” de insulina (as vezes ela vai alterando) e me alimentei de forma saudável, com tudo isso a mulher diabética pode sim engravidar. Desejo-lhes que realizem seus sonhos de se tornarem mães, não se esquecendo da responsabilidade que isso traz consigo.


Abraços


Diabetes e Você

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *